Monday, April 14, 2008

Sei que não devia

...mas não consigo evitar um certo desapontamento. Ao longo da vida, fui-me apercebendo cada vez mais de quão fútil é o apego a objectos e conseguindo um saudável desprendimento em relação a quase tudo não relacionado com pessoas. O automóvel, no entanto, foi sempre uma questão à parte. Independentemente do gosto pela mecânica e pela velocidade, o interior dos automóveis sempre funcionou como um espaço refúgio, intimista e reservado, onde podia dar rédea larga a pensamentos ou verbalizar frustrações.
A obrigação de escolha de uma viatura orientada por critérios exclusivamente racionais (sinal dos tempos) tem o seu preço.

1 comment:

Wangbu said...

Olá! I Wangbu. Estou das Filipinas. Você tem um belo blog. Estou tão feliz de visita.